Olá, pessoal.

Como vocês já devem ter visto, estou participando de mais uma antologia. Dessa vez é sobre o lado sombrio das sereias.


Tive a honra de ser convidada pela Editora Delirium e pela organizadora, Graciele Ruiz, para escrever um conto para a antologia. Confesso que foi um desafio, pois, sereias nunca foram seres de muito encanto para mim (tirando a Ariel da Disney que eu amava) e juntando a isso, teria que ser algo mais sombrio. Enfim, conversando com minhas amigas, foi que tive a ideia para a história. 

Esse livro está em "pré-venda" no site do Catarse. Para que ele seja publicado, precisamos atingir a meta e a cada livro vendido, ficamos mais perto de que a antologia se torne realidade. 
Além de mim, há outros nomes de peso envolvidos no projeto, como a Carol Camargo e a Daiane Bugatti. 

Para acessar o Catarse.me e garantir o seu, basta CLICAR AQUI!

Para conferir a página da editora e ficar por dentro das novidades da antologia e outras publicações, CLIQUE AQUI!


E para conhecer um pouquinho mais da proposta do projeto, deixo a sinopse: 

"Esqueça os contos de fadas, elas, donas de uma natureza sombria, seduziam os homens para as profundezas. Como criaturas híbridas, as sereias possuem diversas representações ao redor do mundo. Na mitologia grega, viviam em rochedos, e seu canto atraia os tripulantes dos navios até colidirem com as rochas. No folclore brasileiro, a bela Iara por vezes assumia a forma humana, em busca da próxima vítima. As nipônicas, com seus chifres e aparência demoníaca, possuíam um canto mortal. Uma coisa é certa: encontrar uma sereia nunca foi um bom sinal.
Sereias: Encantos & Perigos traz histórias onde as sereias são personagens ou fonte de inspiração, além de algo dark, fantástico, terror ou horror, em suma, temos neste livro contos sombrios."


Zodíaco é uma antologia que reúne contos que envolvem a temática dos signos. Cada página está recheada com o pior que há em cada casa astral e você pode se surpreender com a capacidade dos autores em expressar o mal de cada signo.  

"12 signos.
12 personalidades.
12 monstros.
Não sabemos o que o destino nos reserva, nem escolhemos o que carregar em nosso interior. Nascemos predestinados ao futuro e a maldade que reina foi determinada pelos astros, pois o Zodíaco quis assim e assim será.
Os astros podem revelar muito sobre cada um, até mesmo seu lado mais obscuro. Cuidado, nunca se sabe o que o espera!" 


Tive o prazer de ser convidada para participar e escrevi um conto com a temática da amizade leal do signo de câncer e também, predatória. 


" — Por quê? Por que está fazendo isso? – Beatriz perguntou com voz chorosa.
— Porque você me traiu — Alice respondeu séria, sem se abalar com o choro ou as súplicas da amiga.
— Ah, eu nunca trairia você. Somos amigas.
Alice tirou um estilete do bolso e fez com que a fina lâmina subisse. "
(Amigas para Sempre)





O livro físico ainda está em preparação, mas você já pode adquirir o e-book, basta acessar AQUI




Olá, pessoal. 

Eu fui convidada para participar do programa Universo Épico, da TV Câmara Campinas, e o bate-papo foi ao ar no sábado, dia 24/03, e está no Youtube para quem quiser conferir.
Lá, pude falar um pouco sobre a Trilogia Arcantatys, sobre o Kaelium e sobre minha carreira de escritora.



Aproveitem para conhecer a página da TV Câmara Campinas e ficar por dentro de outras entrevistas, novidades e notícias. CLIQUE AQUI

Não se esqueça de deixar seu like no vídeo. Isso é muito importante!



Olá, pessoal.

Ano passado, quando a Amazon disponibilizou o sistema de publicação de livro físico junto com o de e-book, eu coloquei meu livro, Kaelium, lá e comprei um exemplar para testar a qualidade de impressão e saber o quanto custaria exatamente para o livro chegar até o leitor.
Esse ano, resolvi fazer isso com o Clube dos Autores, pois em 2014, eu havia publicado meu outro livro na plataforma e tinha ficado com algumas ressalvas quanto a qualidade deles.

Bem, para quem preferir assistir, tem tudo isso que vou falar aqui, no canal. É só clicar aqui embaixo.



Se você prefere ler, vamos lá!

Há algumas formas de publicar um livro (fiz um post falando mais sobre isso e você pode conferir CLICANDO AQUI). Dentre elas, usar as plataformas de auto-publicação. Clube dos Autores e a Amazon são duas das mais usadas pelos autores. A Amazon, aqui no Brasil, é mais conhecida no formato de e-book, pois suas impressões são feitas no exterior, cobradas em dólar e acabam custando muito para nós, brasileiros.
O Clube dos Autores é um dos mais conhecidos quando falamos de livros impressos. Como eles imprimem apenas quando há um pedido, isso significa que o livro é impresso um por um, o valor final do livro fica um pouco salgado, se comparado a gráficas que imprimem por tiragens maiores.
Enfim, como eu havia comprado um exemplar do Kaelium na Amazon para testar a qualidade, resolvi fazer o mesmo com o Clube, assim poderia dar um parecer mais atual sobre a impressão deles.

Esse exemplar chegou e vou falar dele para vocês!



Primeiro, o que eu notei foi essa tira preta no final da capa. Achei que pudesse ser um erro da imagem, que o capista pudesse ter me enviado no tamanho errado, mas então, reparei na capa do outro livro que comprei junto com o meu; ele também tem.


Então, creio que foi um erro de impressão do Clube mesmo.


Clube dos Autores
Amazon


Outra coisa que me incomodou foi a nitidez da imagem da capa. Se compararmos com a capa da Amazon, percebemos que há menos detalhes do vestido visíveis. E que a tonalidade está diferente.



Bem, um ponto positivo é a orelha. Na Amazon, o livro vem sem orelha, já no Clube, vem.



Porém, a lombada padronizada deixa a desejar. Preta, escrito apenas o nome do livro e do autor nessa fonte padrão. Na edição da Amazon, é possível colocarmos a lombada feita pelo capista. 

Olha como as lombadas ficarão na estante!




Outra coisa que me incomoda, é a contra-capa. A da Amazon (da esquerda) vem apenas o código de barras. No Clube, vem essa faixa preta que tampa toda a parte de baixo da imagem. Isso apenas para colocar o logo deles e esse outro negócio.



O miolo não tenho muito o que falar. Escolhi a folha amarelinha nas duas edições. Isso encarece um pouco a impressão, porém, deixa a leitura mais confortável. Fora que escolhi uma gramatura boa para as folhas, fazendo com que ficassem iguais aos livros impressos pelas editoras brasileiras.

A diagramação foi feita por mim mesma, nos dois casos, e as margens ficaram grandes, pois eu fiquei com receio de que ficasse muito próxima e isso ocasionasse um corte nas palavras ao confeccionarem o livro. Nenhum das duas plataformas tem um sistema de conferencia da diagramação ou revisão. Isso tem que ser verificado por você, autor.



O exemplar do Clube é menor do que o da Amazon. O tamanho 14x21 é mais barato aqui no Brasil. Como eu já havia escolhido uma folha mais cara, preferi deixar menor para não encarecer tanto o livro. Já na Amazon, o formato é o 16x23, pois a diferença de preço não era grande.
Uma ressalva que eu tinha feito no vídeo de 2014, do As Faces da Luz, foi que o livro era duro e dava a impressão de que a lombada arrebentaria se eu o abrisse mais. Só que ele tinha 450 páginas, e foi impresso no formato menor. O Kaelium, tem 250 páginas. Praticamente metade do tamanho, por isso, ele não é duro, pelo contrário, é bem molinho e eu puxei, foleei, sacudi.... Parece muito bem colado.

Um dos exemplares que eu comprei do As Faces da Luz em 2014.


Outra ressalva que eu tinha feito no livro de 2014, era a qualidade da capa. Ela chegou para mim já com o plástico de cima da capa levantando e quando retornou do book tour, que eu fiz com o exemplar (ele passou por 8 blog's), estava bem danificado. Todavia, as folhas nunca se soltaram. (Vocês podem ver o vídeo que fiz do livro quando ele chegou...)



O Kaelium tem uma pequininha parte levantando desse mesmo plástico. Eu não vou puxar para ver se solta, mas o outro livro que comprei, não tem. Pode ser falta de cuidado ao manusear o exemplar na gráfica... não sei.

Bem, agora falando de valores: 

O exemplar da Amazon, me custou R$75 reais e levou 25 dias para chegar até mim.
O exemplar do Clube dos Autores, me custou R$52 reais e levou 15 dias para chegar em casa.

Os dois foram muito bem embalados, oque não ocasionou estrago por parte do Correio.

O carregamento do livro é bem simples, tanto no Clube quanto na Amazon. A Amazon tem visualizador de miolo, oque ajuda bastante a saber como a diagramação ficará. Para subir o livro na Amazon, a capa precisa estar em pdf e no Clube, você coloca parte por parte e a imagem pode estar em jpeg.
Nos dois casos, aconselho você a pedir a um capista para fazer sua capa e te auxiliar com o tamanho correto para as plataformas. Assim, você fica com uma capa profissional e de qualidade.

É isso!
Espero que vocês tenham gostado e que ajude alguém a decidir qual a melhor opção para si.





Olá, pessoal.

Não, seu livro não é seu filho. Ele é um produto!
Resolvi trazer um assunto que me perguntaram no último evento que fui; sobre como reagir a uma resenha negativa. Se você prefere ler do que assistir, continua descendo a página.




Estando no meio literário há alguns anos, tenho visto muitas ocasiões onde autores defendem seus livros com unhas e dentes, como se fosse um filho que acabasse de sofrer agressão por parte de um colega na escola e precisasse ser defendido.

Acontece que o livro é sim um produto. Bem como um tênis, uma máquina de lavar roupa, ou um detergente que você compra no mercado.

Quando você adquiri um tênis, usando meu exemplo anterior, da Nike, você se torna um cliente deles. O mesmo acontece quando alguém compra o meu livro. Ele se torna meu leitor e meu cliente, bem como da editora que me publicou, se houver uma.

Partindo desse pressuposto, quando você usa esse tênis e ele machuca o seu pé, você pode reclamar com a Nike, está no seu direito de consumidor. Imagina agora, se a Nike vira para você e responde que ele te machucou porque você não o entendeu? Ou se eles te respondem que você não gostou, pois ele foi feito para fãs. Faz sentido?
Não né!!! Então, porque faria sentido eu dizer para você, que você não gostou do meu livro, porque não entendeu o que eu quis dizer, ou que ele foi feito para meus fãs.

Eu disse a uma colega, há algum tempo, que se você precisa explicar algo do seu livro para o leitor, o erro não está nele e sim no seu texto que não está claro o suficiente.
É claro que há exceções, como alguém como eu, por exemplo, que é péssima para pegar referências. Rs... Ou entender piadas.
Mas não dá para sair querendo explicar para todo leitor que fizer uma resenha negativa, o que você quis dizer. Não é mais fácil corrigir seu texto para que os próximos leitores não passem pelo mesmo problema?
Fora, é claro, que tem coisas que não há explicação que mude a opinião de quem leu e não gostou, pois pode ser simplesmente que sua história não tenha funcionado para aquele leitor.

Então, é hora de encarar o seu livro como um produto e aprimorá-lo a cada crítica recebida.

Eu tenho visto muitos casos, onde o autor recebe uma resenha negativa e, ao invés de conversar com o leitor, entender o ponto de vista dele, aproveitar aquela crítica para amadurecer seu trabalho e melhorar os próximos, comenta a resenha numa tentativa de explicar algo que deveria estar claro no texto. Ou, para piorar, faz perfil fake para atacar o blogueiro. Ou, ainda, faz uma comoção em seu grupo para que seus leitores, os que gostaram do texto, vão lá na resenha e defendam o livro.

Pode ser que não tenha nada de errado com sua história. Pode ser que esteja bem escrita, ainda assim, o leitor tem direito de não gostar.
Se nem o King agrada a todos, quem dirá nós.

Ver o meio literário como um mercado de trabalho, ver o livro como um produto, não é apenas profissional, como pode te ajudar a não sofrer tanto quando chegar aquela temida resenha negativa.

Então é isso, pessoal. Espero que vocês tenham gostado. Comentem o que vocês pensam sobre isso. 



Olá, pessoal.

Primeiramente, queria dizer que você pode assistir a essa dica em vídeo. 


Caso prefira ler, é só continuar.... 

Bem, em todos os hangout's que fiz ou eventos literários que vou, sempre pedem uma dica para quem está iniciando nesse meio. Eu sempre disse que é importante ter paciência, não atropelar os bois, pois na ansiedade de ver o seu texto ser transformado em livro, pode acabar publicando algo que não estava bom ou se metendo em alguma enrascada com editoras que não são profissionais.

Não, não estou aqui para falar de editoras, quero falar sobre paciência.

Quando escrevemos nosso texto pela primeira vez, é muito raro que ele esteja pronto para ser publicado e comercializado. É por esse motivo, entre vários outros, que as editoras grandes e tradicionais raramente publicam um autor desconhecido, pois ele ainda não está maduro, nem seu livro, para entrar MESMO no mercado literário. 
Sendo assim, é necessário que você tenha isso em mente e trabalhe no seu texto. Leia e releia várias vezes para reescrever trechos que não estejam bons, pegar falhas, melhoras falas e descrições. Mas não só isso, é importante que outras pessoas leiam seu original. Aí que entra o que eu quero dizer para vocês e que eu queria que tivessem me dito lá em 2013, quando comecei.

Procure um profissional literário para te dar um feedback. Há várias pessoas que trabalham com leitura crítica, copydesk, coaching, doctor book... e outros serviços que buscam o aprimoramento do seu texto.
Fazendo isso, você estará deixando-o pronto para ser recebido por um editor e pelos leitores. Fora que mostrará seu comprometimento profissional para a editora.
Há processos, dentre esses que citei, que são feitos por agências literárias e isso pode, também, te render um agenciamento e fazer com que sua história chegue com outra cara naquela editora que você tanto almeja.

Quando estamos ansiosos, ignoramos o fato de que a história precisa ser lapidada antes de publicarmos, nos arriscamos a receber críticas duras por parte dos leitores e blogueiros. É através deles que nos consolidamos no meio literário. Através de suas resenhas e indicações. Se a história não está boa, não vamos conseguir conquistá-los, mas vamos afastá-los e ainda receber resenhas negativas.
Se você tiver paciência e trabalhar em sua obra, as chances de agradar são muito maiores.
Então, você deve estar pensando naquele autor que nunca fez nada disso (ou achamos que não fez) ainda assim, ficou famoso, pois conseguiu um milhão de leituras no Wattpad ou na Amazon e foi convidado para publicar por uma editora.
Ok.Mas não sabemos se a pessoa não estudou mesmo antes, sabemos? Prefere arriscar?

Além dos profissionais do meio, também é importante que você, como autor, estude. Não estou falando de gramática, é claro que ela é importante, mas estou falando de narrativas, construção de personagens, plot’s e tantas outras coisas que compõem uma história. Quanto mais você souber, menores as chances de falhar.
Um médico precisa estudar medicina, não é mesmo? Um advogado, direito.... Bem, não estou falando para você cursar letras ou outra faculdade, mas ler sobre estruturação de texto, semântica e outros assuntos que te ajudarão. Ou fazer cursos com outros autores que te ensinarão isso.

Bem, isso tudo custa dinheiro e um bom dinheiro, é claro! Você deve estar desanimado ou indignado. Mas calma! Há solução...
Se você não pode pagar um profissional para avaliar seu original, pelo menos, procure betas. Há leitores que são mais críticos e pegam com mais facilidade as falhas que cometemos na nossa história. Leia livros sobre escrita, como do King, ou A Jornada do Herói. Isso tudo pode te ajudar a ter um original melhor e ter alguma chance quando ele chegar na mesa do editor.

Eu queria que tivessem me dito isso. Apesar de ter procurado uma leitora crítica, não creio que tenha sido o suficiente. Hoje, estou trabalhando no texto com o auxílio do coaching literário e vejo o quanto isso muda tudo.
É claro que essa dica é mais válida para quem quer seguir a carreira e viver de escrita. Se você escreve apenas por hobby, pode se dar ao luxo de continuar escrevendo apenas com paixão.

 Espero que essa dica tenha ajudado alguém e que vocês consigam conquistar seus sonhos. 

Um beijo!





E se houvesse uma antologia de contos fantásticos que, além de empoderar, seus leitores ajudassem uma ONG que cuida de crianças e adolescentes que sofreram violência e abuso sexual? E se tal antologia reunisse histórias de garotas destemidas, corajosas e dispostas a enfrentar quaisquer adversidades em busca de superação? E se os contos pendessem para o terror e fossem destinados a adolescentes, pré-adolescentes e – por que não?! – aos leitores de todas as idades que se interessam por fantasia e terror “água-com-açúcar”?
Conheça “GIRL POWER – HISTÓRIAS DE GAROTAS DESTEMIDAS”, uma antologia escrita por Ana Lúcia MeregeCamila Pelegrini, Carolina Mancini, Fernanda Chazan e Tatiane Durães.
A obra estará disponível apenas em formato e-book na Amazon e toda a renda adquirida com a vendado livro será revertida ao CRAMI (Centro Regional de Atenção aos Maus Tratos na Infância), que ajuda crianças e adolescentes do ABC paulista que sofreram violência e/ou abuso. 

Fui indicada para participar desse projeto lindo e aceitei logo de cara. Sempre admirei as autoras que estavam envolvidas e a ideia me pareceu incrível. 
Contos que fossem de terror para leitores mais jovens, onde a protagonista fosse uma garota e precisasse superar o medo para encontrar conseguir ou encontrar algo maior. 
E há uma curiosidade no conto que eu escrevi, que só vou contar em breve. 
Espero que vocês abracem essas histórias com todo carinho, como nós. 



Tecnologia do Blogger.